Seu Planejamento Financeiro

Devo me planejar para comprar um apartamento até os 30 anos?

José R. de Faria Júnior, CFP® e Rodrigo de Castro, respondem:

A aquisição de um imóvel é uma das decisões mais importantes e difíceis em nossas vidas, ainda mais que há uma cultura no Brasil que é bom termos a casa própria o mais cedo possível. Quem nunca ouviu “quem casa quer casa”?

Em geral, até os 30 anos de idade, a maioria das pessoas não tem capacidade financeira de comprar o “imóvel dos sonhos” à vista. Então, é bastante razoável buscarmos por um financiamento imobiliário. Mas não devemos pensar apenas neste aspecto para tomar a decisão. Há outros fatores tão importantes quanto o custo financeiro, que devemos considerar para trocar a casa dos pais ou o aluguel pela prestação da casa própria.

Algumas pessoas após comprarem um imóvel criam tantas “raízes” que as impedem de aproveitar as oportunidades que a vida oferece, como a possibilidade de buscar por melhor qualidade de vida ou um emprego melhor em outra cidade. Também há pessoas que compraram o imóvel perto do emprego e depois, em meio a um processo bastante comum de reestruturação e racionalização de custos, as empresas mudam de endereço e estas pessoas se deparam com a situação de trocar de emprego, trocar de residência ou perder diariamente várias horas nos congestionamentos. Ademais, não é incomum relacionamentos surgirem com alguém que mora em outra cidade. Os autores deste artigo, por exemplo, mudaram de emprego e de cidade algumas vezes e a compra do imóvel fez sentido após os 30 anos, quando tiveram uma maior estabilidade em suas vidas pessoal e profissional.

Por isso, antes de decidir pela compra do seu primeiro imóvel, faça o seu planejamento de carreira (pós-graduação, estudo no exterior e, eventualmente, uma transição de carreira), o seu planejamento familiar (casamento e filhos) e também o seu planejamento financeiro.

Mas, vamos tratar especificamente do aspecto financeiro da compra. Inicie com a construção do fluxo de caixa, considerando todas as receitas e despesas e, se casado, de seu cônjuge. Lembre-se que é muito importante fazer um fluxo de caixa projetado para enxergar a situação financeira futura. Considere ser promovido com aumento de salário, fazer um curso de pós-graduação, estudar no exterior ou decidir se casar e ter filhos, fatores que alteram a relação entre receitas, despesas e reservas. O fluxo de caixa atual é apenas a fotografia de hoje e esta não deverá ser a sua fotografia financeira no futuro.

Em se tratando do primeiro imóvel, considere comprar um imóvel menor e mais barato, pois ele não será necessariamente definitivo. O importante é ter um imóvel que se valoriza de forma equivalente ao “imóvel dos sonhos” e, por isto, pense em fazer uma troca futura. Verifique se a entrada e a prestação mensal são compatíveis com a sua renda, despesa a reservas atuais e futuras.

Além disto, um imóvel menor pode ser financiado pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), que permite usar o FGTS (que rende TR + 3% ao ano) e tem juros menores. Verifique as condições do uso do FGTS, já que as regras não são uniformes para todas as regiões do País e mudam com alguma frequência.

Lembre-se de se programar para outros gastos: imposto sobre transferência de bens imóveis (ITBI), pago à Prefeitura; escritura; mudança; reformas; móveis e decoração. Estes gastos podem elevar o valor da compra do imóvel em 10% ou mais, principalmente se este for usado e exigir uma reforma mais profunda. Você precisará de recursos não apenas para a prestação, mas para a entrada e outras despesas e, desta forma, poderá comprometer parte de sua renda por um longo período. Assim, é possível que precise adiar alguns dos seus planos de médio prazo e podemos dizer que é quase certo que terá que passar por sacrifícios no curto prazo.

Finalmente, faça a compra com o auxílio de um corretor registrado no CRECI e de um advogado para analisar o contrato de compra e venda. E, consulte um planejador financeiro certificado para auxiliar nas questões financeiras desta compra e para o seu planejamento financeiro de longo prazo.

Não existe resposta única para a pergunta. Considere os aspectos aqui apresentados, como comprar um imóvel menor e não se apegar a ele. E mais, não comprar um imóvel até os 30 anos não vai impedi-lo de comprar um imóvel aos 40 anos! Considere que o aluguel pode, em determinadas situações, fazer mais sentido que a casa própria aos mais jovens. Muitas vezes, adiar a decisão pode ser melhor! Pese tudo isto na balança e planeje bem a sua vida antes de tomar esta importante decisão!

José Raymundo de Faria Júnior e Rodrigo de Castro Freitas são planejadores financeiros pessoais e possuem a Certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Associação Brasileira de Profissionais Financeiros – Planejar. E-mail: [email protected] e [email protected]

As respostas refletem as opiniões dos autores, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado no site Época Negócios em 04 de julho de 2017.

0