Como conseguir rendimentos acima da inflação?

“O que devo observar para obter ganhos de verdade (acima da inflação/ganhos reais) nos meus investimentos?”

Bruno Mori, CFP ®, responde:

Prezado(a) leitor (a), obter ganhos reais nos investimentos é muito importante para a saúde financeira pessoal. Vale lembrar todos os leitores de que ganhos reais são aqueles obtidos quando o rendimento dos investimentos supera a taxa de inflação em determinado período. Os rendimentos percentuais abaixo da taxa de inflação causam uma diminuição do poder aquisitivo ao longo do tempo e esse processo causa um empobrecimento que deve ser evitado.

O primeiro ponto a ser observado é a taxa de inflação ao consumidor, que no Brasil é medida pelo IBGE e é conhecida pelo nome de IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Esse índice é divulgado mensalmente e representa a evolução média aproximada dos preços dos bens e serviços consumidos pela maioria das pessoas nas principais regiões metropolitanas do país. É importante acompanhar a variação percentual desse índice ao longo do tempo para saber o rendimento mínimo para a obtenção de ganhos reais.

O segundo aspecto a ser observado é o rendimento percentual da própria carteira de investimentos. Muitas pessoas desconhecem a rentabilidade da composição de todos os seus investimentos. Sem essa informação, é difícil saber se estão obtendo ganhos reais em suas aplicações financeiras. É comum ter investimentos em mais de um banco ou corretora; nesse caso a recomendação é consolidar as informações num mesmo controle. A ideia básica desse cálculo é observar a variação monetária das aplicações consolidadas em momentos diferentes. Normalmente esse cálculo é feito comparando os valores no último dia útil de cada mês (ou de cada ano).

Para fins didáticos, será dado um exemplo. Supondo que em 31/12/2019 o valor consolidado de uma carteira de investimentos seja R$ 100.000,00 e que durante o ano de 2020 não tenha acontecido nenhum resgate ou aplicação. Considerando que em 30/11/2020 o valor da mesma carteira de investimentos seja R$ 102.590,00, o rendimento acumulado no ano de 2020 foi de R$ 2.590,00 (ou 2,59%).

Continuando o exercício, devemos comparar essa variação percentual com o IPCA do mesmo período. Nesse caso, o índice de preços apresentou variação positiva de 3,13%. Grosso modo, isso indica uma perda de poder aquisitivo de aproximadamente 0,54 pontos percentuais (ou R$ 540,00).

Como alternativa a essa questão, algumas opções de investimento vinculam o rendimento da aplicação financeira à variação de índices de preço. Um bom exemplo são os títulos do Tesouro conhecidos como “Tesouro IPCA +”, cujo rendimento é composto pela variação percentual do índice de preços mais um percentual adicional pré-fixado.

O processo de realocação dos investimentos deve começar com a separação de um valor suficiente para cumprir com os gastos pessoais pelo período de aproximadamente um ano. Esses recursos devem estar investidos em aplicações financeiras de baixo risco e liquidez imediata (a rentabilidade não deve ser o fator de decisão de alocação desses recursos). É importante descobrir o nível de tolerância ao risco de cada um. A tolerância ao risco é o resultado da disposição ao risco somada à capacidade que cada um tem de correr mais risco, sem comprometer a saúde financeira e a segurança da pessoa (ou família).

A busca por melhores rendimentos pode se tornar desafiadora, especialmente num contexto de juros historicamente baixos. A recomendação é estudar os produtos de investimento e, em caso de dúvidas, buscar ajuda profissional.


Bruno Mori é planejador financeiro pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: bmori@sarfin.com.br.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico ou da Planejar. O jornal e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. Perguntas devem ser encaminhadas para: consultoriofinanceiro@planejar.org.br

Texto publicado no jornal Valor Econômico em 02 de fevereiro de 2021

0