Seu Planejamento Financeiro

Como posso me planejar financeiramente para adquirir minha casa própria?

Leticia Camargo, CFP®, responde:

Caro leitor, possuir a casa própria é um dos maiores sonhos de muitos brasileiros. Isso faz parte da nossa cultura e pode ter origem na época antes do Plano Real. Naquele tempo, havia muito descontrole de preços, ou seja, uma inflação explosiva e, portanto, é compreensível que ter um imóvel para chamar de seu fosse a melhor maneira de construir um patrimônio e alcançar maior tranquilidade financeira.

Nos dias atuais, muitas pessoas ainda se sentem mais seguras financeiramente quando têm o seu imóvel próprio. Porém, vale frisar que o primeiro objetivo financeiro de qualquer um deveria ser a constituição de uma reserva de emergências. Somente depois disso é que seria prudente pensar em começar a poupar para outros objetivos; dentre eles, o da casa própria.

Nesse sentido, faz-se necessária uma análise das receitas e despesas para entender qual será o montante mensal que poderá vir a ser poupado. Para isso, será importante rever os gastos com o objetivo de priorizar o que é essencial e evitar abusar dos supérfluos.

Uma sugestão é que o valor poupado seja logo investido, assim que for recebido o salário e, de preferência, com uma aplicação automática, para evitar esquecimentos ou tentações de gastos não previstos. Deixar para poupar o que sobra no final do mês, em geral, não funciona, melhor é pagar-se primeiro!

Então, depois de constituída a reserva de emergências, será preciso colocar o objetivo de conquistar a tão sonhada casa própria no papel. É chegada a hora de começar a transformar o sonho em algo mais concreto e material.

A compra da casa própria costuma ser uma decisão de investimento relevante para a vida financeira de uma família. Justamente por isso, deve ser muito bem pensada e planejada.

Para tanto, deve-se decidir qual o tipo de imóvel, se maior ou menor, a sua localização e estimar o valor necessário para a compra. Ao conhecer esse valor, será possível fazer alguns cálculos com a finalidade de identificar qual será o prazo necessário de poupança para poder efetuar a compra à vista.

Dependendo do prazo em que se queira comprar o imóvel, uma outra possibilidade é poupar o montante para a entrada e financiar o restante. Deve-se sempre procurar pagar o maior valor de entrada (lembrando de deixar guardado o montante da reserva de emergências) e financiar o restante com as menores taxas de juros e com o menor número de parcelas possíveis.

Por fim, é válido frisar que uma forma mais fácil de encarar esse desafio é pensar que estará trocando bens e serviços sem muita importância agora, no presente, para poder conquistar o que realmente importa para você: a sua casa própria. Assim, considerando uma troca e não uma perda de consumo no presente, a travessia será muito menos dolorosa, pois você saberá que há um objetivo maior, um sonho a ser realizado no futuro.

Seguindo os passos acima, é esperado que você consiga alcançar seu objetivo, de uma forma bem organizada e sem passar por grandes percalços ao longo do caminho. 

Letícia Camargo é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: leticia@leticiacamargo.com.br.

As respostas refletem a opiniões do autor, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado no site Época Negócios em 05 de maio de 2020.

0