Seu Planejamento Financeiro

Devo considerar vender meu imóvel para quitar dívidas?

Rejane Tamoto, CFP®, Responde:

Quando o assunto é dívida, é importante avaliar a situação financeira de modo geral. A pergunta indica que o valor da dívida é próximo ou igual ao do imóvel, o que exige uma avaliação ainda mais criteriosa e o estudo de alternativas.

Organizar as finanças será importante antes de tomar essa decisão. A primeira recomendação é elaborar um fluxo de caixa, que é a anotação de receitas líquidas (sem impostos) e despesas em planilha eletrônica, aplicativo ou caderno. Ao anotar, é necessário categorizá-las em grupos: moradia, alimentação, comunicação, saúde, educação, transporte, lazer e despesas pessoais.

O próximo passo é a escolha de quais despesas podem ser renegociadas ou trocadas por outras de menor valor. É o caso de planos de internet, telefone e TV, que têm soluções de portabilidade. Também deve ser considerada a redução da conta de energia com uma possível adesão à tarifa branca. Desperdícios nos gastos de alimentação devem ser eliminados.

Outra estratégia é olhar para o que se pode vender para converter objetos pouco usados ou esquecidos em dinheiro. O que mais se poderia fazer para aumentar a renda? Um trabalho extra de fim de semana, por exemplo?

Essas análises são a base para a montagem de um orçamento, que é a previsão futura de todos os recebimentos e despesas em cada mês. O objetivo é criar capacidade de poupança para ter uma sobra de dinheiro na conta todo mês, depois de receber e pagar todas as despesas.

Com isso, será possível identificar os recursos realmente disponíveis para pagar as parcelas da sua dívida. A etapa seguinte será renegociar suas dívidas e buscar a portabilidade de crédito em linhas permitidas para reduzir as taxas de juros atuais. Se essas dívidas estão concentradas em modalidades como o rotativo do cartão de crédito e/ou cheque especial, deve-se, o quanto antes, tomar outro empréstimo a uma taxa de juros menor para quitá-las.

Quem é servidor público, trabalhador do setor privado ou beneficiário do INSS pode avaliar o crédito consignado, que tem taxa de juros menor, para refinanciar as dívidas.

Se você não se enquadra nas regras acima ou se o valor necessário é maior do que o limite no consignado, outra maneira de reduzir o custo da dívida é o crédito com garantia de imóvel. Pesquisas no banco da sua confiança e nos concorrentes são recomendáveis. Nessa modalidade, pode-se obter um empréstimo equivalente a 50% do valor de avaliação do seu imóvel (ou mais, a depender do banco). A taxa de juros costuma ser menor do que a do crédito consignado, mas isso dependerá do seu perfil. Em geral, a taxa é menor porque o seu imóvel quitado fica em garantia para o banco.

Outra vantagem é a possibilidade de pagar parcelas por um prazo mais longo, de até 20 anos. Diferentemente do consignado, pode-se escolher taxas de juros pós-fixadas, ou seja, que acompanham um índice e geralmente têm menor custo no curto prazo. O risco de contratar essa modalidade de crédito é o de perder o imóvel se não conseguir pagar as parcelas.

Por isso é muito importante seguir o roteiro do começo deste artigo, e montar o fluxo de caixa e orçamento. Será útil para entender sua real capacidade financeira de pagar parcelas da dívida. Se não houver possibilidade de arcar com essas parcelas, o trabalho ajudará a saber o valor disponível para o aluguel caso você more no imóvel que estuda vender.

É importante planejar os custos com a mudança e, caso não tenha fiador, reservar o valor para a contratação de seguro-aluguel ou o pagamento de depósito equivalente a três meses do valor mensal de locação. 

Se escolher vender o imóvel, vale lembrar que é preciso pagar 15% de imposto de renda sobre a diferença entre o valor que pagou e o valor que vendeu. Faça as contas. Mas, se esse é o único imóvel e for vendido por até R$ 440.000, está isento do pagamento desse imposto desde que o proprietário não tenha comercializado outro imóvel nos últimos cinco anos. Esse limite se aplica se o único imóvel tiver mais de um dono.

A venda de um imóvel costuma levar, em média, mais de um ano, pois é um bem que não tem liquidez, ou seja, não tem a possibilidade de ser convertido em dinheiro rapidamente sem prejuízo. A não ser que haja um comprador em vista, cuidado para não se deixar levar pela pressa e vender a um valor muito abaixo do que ele vale. Então, se seguir os passos iniciais, com certeza haverá um leque de opções para estudar e tomar a melhor decisão financeira para quitar suas dívidas. Boa sorte! 

Rejane Tamoto é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: vamosplanejar@rejanetamoto.com.br

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado no site Época Negócios em 04 de maio de 2021.

0