Seu Planejamento Financeiro

O que devo levar em conta para me planejar financeiramente para ter um filho?

Priscila Telles Lima, CFP®, responde:

Ter um filho, dentro do planejamento financeiro, é considerado um projeto de longo prazo e este estudo vai avaliá-lo sob o aspecto financeiro, mas sabe-se que esse projeto vai muito além do lado meramente econômico. Trata-se de uma decisão com muitas emoções envolvidas, mas como em qualquer planejamento de longo prazo devem-se analisar os custos e riscos envolvidos para se preparar para eventualidades e atingir o objetivo com mais assertividade e tranquilidade.

Primeiro é importante pensar como essa criança virá ao mundo. Valem algumas considerações como a posse de um plano de saúde com cobertura obstetrícia, a utilização da rede pública ou a disponibilidade de recursos para a contratação de todas as despesas envolvidas em um parto na rede privada, seja ele normal, seja cesárea. Em seguida, é preciso avaliar qual estrutura física será disponibilizada ao herdeiro que chega: se serão necessários gastos com reforma na residência e aquisições como berço, roupas, entre outros (dica: muitos presentes virão, então seja parcimonioso nas suas aquisições), e quais são os valores para viabilizar essa estrutura.

Após a imensa alegria de trazer o herdeiro ao mundo, é preciso analisar os custos envolvidos com o padrão de vida que se almeja proporcionar a ele e usufruir, como a estrutura educacional e cultural, esportes, lazer etc. Essa parte é bastante delicada e pode variar muito ao longo do ciclo de vida da família. Percebe-se a diversidade preços desses itens que é apresentada. Os valores elevados do custo de uma criança dos 0 aos 18 anos servem também para reforçar o poder multiplicador que uma reserva mensal pode ter ao longo de vários anos. Mas, voltando ao período imediatamente posterior ao nascimento do filho, essa fase apresenta algumas considerações interessantes como o período de licença-paternidade/maternidade, os diferentes benefícios encontrados nos contratos de trabalho atuais (auxílio creche, salário-família etc.) e o retorno ao trabalho; serão necessárias estruturas diferentes em cada etapa. 

Segurança, saúde, educação e lazer são os pontos iniciais para ajudar você a escolher suas prioridades de gastos/investimentos. Após elencar quanto você está disposto a direcionar para essa estrutura, é preciso fixar o valor da reserva de emergência (valor com liquidez para utilização não prevista, como perda de renda temporária) e projetar a reserva de longo prazo (valor para realização de projetos futuros, aposentadoria, aquisição de bens…). Considere sempre a renda familiar líquida e viabilize percentuais da renda para cada prioridade. Assim, se torna possível compor uma distribuição racional da renda familiar. 

O planejamento financeiro é um instrumento para marcar um objetivo, traçar uma rota e criar um guarda-chuva de proteção para trilhar esse caminho com mais segurança e assertividade. Para isso seguem algumas recomendações: mantenha um orçamento familiar atualizado; forme um reserva de emergência intocável na rotina, utilizável apenas em eventualidades importantes; construa uma rede de proteção para os bens e o padrão de vida conquistados (seguros do patrimônio e de vida); evolua o plano de acordo com a evolução de sua renda e seus objetivos; tente ao máximo afastar-se dos gastos por emoção que poderão drenar recursos dos projetos relevantes.

Ao longo do amadurecimento da sua família e da sua própria evolução profissional, novos projetos podem aparecer, bem como o patrimônio conquistado pode merecer mais atenção para poder ser mais bem rentabilizado e/ou protegido. Existem instrumentos financeiros que podem viabilizar mais tranquilidade e segurança para você e sua família, por exemplo seguro patrimonial e de vida, plano de previdência, consórcio.

Para todo esse processo, sempre que possível, busque um planejador financeiro da sua confiança e conte com nosso apoio.

Priscila Telles Lima é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: [email protected]  

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. 

Texto publicado no site Época Negócios em 09 de novembro de 2021.

0