Artigos Planejar

O que fazer para ter saldo positivo e tranquilidade financeira?

Em síntese, há duas alternativas: procurar formas de aumentar receitas e reduzir as despesas

Hugo Manoel Marcato Affonso CFP®, responde:

Essa pergunta é uma das mais comuns nas conversas com clientes de planejamento financeiro. Indo direto ao ponto, a resposta está relacionada, em maior grau, às habilidades comportamentais do indivíduo (ou da família) do que às suas habilidades técnicas. Na verdade, é uma combinação dessas habilidades que nos ajuda a atingir saldo positivo e tranquilidade financeira.

A prática do planejamento financeiro nos leva a revisitar valores pessoais, os princípios, de quem contrata o serviço. A revisão dos objetivos de curto, médio e longo prazos também é necessária. Muita gente ainda não teve a oportunidade de definir esses dois itens com calma, serenidade e, principalmente, sinceridade consigo mesmo. Além disso, reavaliar os princípios e os objetivos de tempos em tempos é salutar. A vida muda e seus objetivos também! Assim, cumpridas essas etapas preliminares e essenciais, e entendendo que o planejamento financeiro é um processo de longa duração, podemos avançar para questões de ordem prática.

Como o leitor já deve imaginar, para manter o saldo positivo será necessário avaliar o fluxo de caixa do indivíduo ou da família. Todos entendem que, na fórmula “receitas – despesas = saldo”, as receitas precisam ser maiores que as despesas para resultar em saldo positivo. No papel é fácil. Na prática, para muita gente, no final do mês falta saldo e sobram dias! Atualmente, considerando a escalada da inflação e seus reflexos em praticamente todos os setores da economia, está bem mais difícil ter saldo positivo.

O que fazer? Em síntese, há duas alternativas: a primeira é procurar formas de aumentar receitas, avaliando suas habilidades pessoais e verificando se consegue ser mais produtivo, ou demonstrar que seu trabalho tem mais valor agregado. Ter uma segunda atividade remunerada, por algum tempo e sem comprometer o equilíbrio do tempo para suas atividades familiares e de lazer, pode ser uma saída. A segunda alternativa é reduzir despesas. Nesse momento as reflexões sobre seus valores pessoais e objetivos serão ainda mais úteis. Se existe clareza de objetivos e alinhamento de valores, será mais fácil abrir mão de algum conforto em prol de aumentar o saldo no final do mês por algum tempo. Reconhecer que existe uma recompensa no final ajuda no engajamento. Alguns exemplos comuns de despesas que podem ser reduzidas: assinaturas de serviços de streaming, alimentação fora de casa, itens de consumo, transporte. Outra pergunta que pode ajudar: isso que desejo comprar é realmente necessário agora? A família também pode ajudar nessas mudanças de hábitos de consumo e a conversa precisa ser franca. Se houver parcelamentos ou dívidas, é fundamental procurar quitá-los e não fazer novos compromissos futuros. Em tese, esses passos ajudam a resolver a questão do saldo positivo. Na prática, muita gente precisa de ajuda profissional para conseguir êxito nessa jornada. São necessários alguns meses de mudança de hábitos de consumo e de revisão no cálculo mencionado de “receitas – despesas = saldo” para atingir o equilíbrio desejado.

A tranquilidade financeira é um conceito muito mais abrangente e subjetivo. Em poucas palavras, além de procurar colocar em prática as sugestões para ter saldo positivo, é necessário praticar as outras áreas que o planejamento financeiro contempla: balanço patrimonial, perfil de investidor, alocação e gestão da carteira de investimentos, proteção de renda e patrimônio (seguros) e planejamento sucessório. Todas essas áreas são revisadas, pelo planejador financeiro, seguindo o procedimento de coleta, análise, elaboração, validação e implementação de recomendações. Por isso, consultar um profissional planejador financeiro certificado pela Planejar é recomendável.

Hugo Manoel Marcato Affonso é planejador financeiro pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial  Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejamento Financeiro. E-mail: [email protected].

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado na Revista Época em 23 de agosto de 2022.

2