Seu Planejamento Financeiro

Tenho R$ 30 mil e quero investir em uma LCI. Qual a porcentagem do CDI mínima para superar o rendimento da poupança e não perder para inflação?

Marcelo Defilipo, CFP®, responde:

Prezado leitor, é um prazer responder à sua pergunta. A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) é um título de renda fixa muito buscado pelos investidores. O ativo é lastreado em financiamentos imobiliários e é utilizado como instrumento de captação por instituições financeiras. Na prática, o cliente faz um empréstimo para um banco em troca de uma remuneração e, apesar do lastro, a rentabilidade do papel não é associada ao mercado imobiliário. Uma das principais vantagens da LCI é a tributação: os rendimentos são isentos de Imposto de Renda (IR) para pessoas físicas.

É importante mencionar que a LCI conta com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até o valor de R$ 250.00,00 por CPF e por instituição financeira, considerando sempre o montante principal e os juros, com um teto limite de R$ 1 milhão em 4 anos. Além disso, é sempre necessário verificar o risco de crédito (rating) da instituição emissora da LCI — o banco emissor do papel. Outra característica do ativo é possuir um prazo de carência de 90 dias (prazo mínimo que seu dinheiro precisa ficar aplicado). Já os vencimentos, normalmente variam entre 6 meses e 3 anos e, usualmente, quanto maior o prazo, maior a rentabilidade.

Com relação ao CDI, este indicador está sempre muito próximo à Selic, que é o índice básico de juros da economia brasileira e é a referência para o cálculo das demais taxas de juros do mercado. O CDI é atrelado à Selic e para que a política monetária do Banco Central faça sentido, o CDI deve permanecer acima da inflação, pois além dos investimentos, a Selic baliza os empréstimos. Essa política tem por objetivo o controle da inflação.

Outro dado para nossa análise é a estimativa para a inflação oficial (IPCA) para 2018 e 2019. De acordo com o Relatório Focus do Banco Central de 08/06/18, a expectativa é uma inflação de 3,82% em 2018, e 4,07% para o ano de 2019. Após as explicações, podemos finalmente sanar a dúvida do leitor.

Atualmente, o rendimento da poupança é calculado tendo como base 70% da Taxa Selic + TR (A TR é a Taxa Referencial, atualmente é 0%). Hoje, caso você invista R$ 30.000,00 na Poupança, esperaria obter em 1 ano o valor de R$ 31.365,00, e em 2 anos o valor de R$ 32.792,11. Com esse cenário, considerando uma taxa CDI de 6,39% ao ano, chegamos à conclusão que o percentual mínimo para uma LCI superar a poupança e a inflação é de 71,8% do CDI.

É importante lembrar que o mercado oferece aplicações bem mais rentáveis que a poupança, e com a Selic próxima às mínimas históricas, os investidores estão estimulados a buscar diferentes tipos de aplicações, buscando o rendimento que as aplicações geravam na época em que a Selic estava em patamares mais elevados. Em bancos médios, é possível encontrar LCIs com taxas acima de 95% do CDI, sem cobrar custos. Vale lembrar que esses bancos oferecem melhores rentabilidades, mas em tese têm maiores riscos que os grandes conglomerados.

É fundamental que o investidor avalie as alternativas com o auxílio de um especialista em investimentos, para se manter adequado ao seu perfil de risco, avaliando possíveis restrições, além do horizonte de tempo do investidor, sempre ajustando a carteira de investimentos em linha com as mudanças de cenário.

Marcelo Defilipo é planejador financeiro pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: marcelo.defilipo@golfinvest.com.br. Colaborou Sean Butler.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site EpocaNegocios.globo.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado no site Época Negócios em 17 de julho de 2018.

0