Seu Planejamento Financeiro

Meu pai fez um VGBL e está perdendo dinheiro. O que ele deve fazer?

Paula Sauer, CFP®, responde:

Olá, leitor! Vocês estão fazendo a coisa certa: buscando informações.

Os fundos de previdência privada são planos de acumulação de renda por meio dos quais o investidor resgata no futuro uma quantia proporcional ao valor investido ao longo do tempo acrescido dos juros.

O VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é um modelo de previdência bastante utilizado por pessoas que declaram o Imposto de Renda no formato simplificado, ou que já contribuem para previdência privada na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e atingiram o teto de contribuição de 12% do rendimento bruto tributável no ano.

É recomendado também como ferramenta de planejamento sucessório, pois o titular do plano no ato da contratação do produto determina quem serão seus beneficiários e o recurso não entra em inventário.

Já para quem faz a declaração completa do Imposto de Renda, a modalidade mais recomendada de previdência privada é o PGBL, uma vez que possui benefícios fiscais que postergam o pagamento do imposto de renda ao mesmo tempo que ajuda a formar uma reserva de recursos para o futuro, ou um complemento de renda.

É importante saber que o estatuto da previdência privada permite que os fundos façam diferentes composições de ativos para atender perfis de clientes dos mais conservadores aos mais arrojados, fazendo modificações na composição das carteiras. O investimento pode ter na sua composição desde fundos soberanos, extremamente conservadores, até as carteiras mais arrojadas, com um percentual de até 49% de ações em seu portifólio.

De posse das informações descritas, a carteira dele parece ter papéis que possuem volatilidade, ou seja, oscilação de preços (ações, por exemplo), o que contribui para justificar a rentabilidade negativa do investimento e, no cenário econômico atual, sua insatisfação.

A pergunta relata ainda que o investimento possui uma carência mínima para resgate de seis meses. Sim, os planos de previdência privada possuem período de carência, um período que o contratante precisa aguardar antes de poder resgatar o seu investimento ou fazer a portabilidade. Para os resgates de valores parciais e para a portabilidade do plano, a carência é de, no mínimo, 60 dias e a contagem é feita a partir da contratação.

Em relação ao imposto de renda no VGBL, o pagamento só acontece quando o benefício é resgatado; verifique qual foi a modalidade de tributação contratada no plano adquirido.

O ideal para investimentos de longo prazo é a tributação regressiva, uma vez que em 10 anos a tributação chega a 10%. O ponto negativo é que, se resgatados em curto prazo (até dois anos), a alíquota de imposto sobre o rendimento pode chegar a até 35%.

Bom, com mais algumas informações em mão, analise novamente a escolha do produto e saiba que, se a escolha não foi a mais adequada para o momento de vida da família, seu pai não precisa continuar com o plano para sempre; ele pode pedir portabilidade para outro VGBL com características mais aderentes a sua realidade. Pode inclusive, se for o caso, solicitar sem custo a portabilidade da previdência para outra instituição financeira.

Leia com atenção e não hesite em procurar um profissional certificado caso haja alguma dúvida!

Paula Sauer é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejamento Financeiro. E-mail:[email protected]

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado no site Época Negócios em 01 de fevereiro de 2022.

0