Seu Planejamento Financeiro

Quero começar a investir na bolsa. Como começar?

Diana Benfatti, CFP®, Responde:

A bolsa de valores é um ambiente em que investidores negociam valores mobiliários entre si de forma padronizada. Falando especificamente de ações, a bolsa dá aos investidores a oportunidade de participar de empresas abertas como sócios minoritários, de forma simples, acessível e sem burocracias. Uma ação é simplesmente a fração do capital social de uma empresa. A sua compra representa a entrada como sócio da empresa, e a venda, a saída. Quanto mais líquida a ação, mais fácil entrar e sair da empresa.

O investimento em ações pode gerar ganhos através de dividendos, que são a distribuição de lucros correspondente à parcela societária que o investidor possui na empresa, e também gera ganho ou perda de capital através de sua oscilação de preços. As ações são livremente negociadas no mercado e o seu preço é determinado pelas transações ocorridas. A variação da oferta e da demanda pelas ações é influenciada pelo histórico e pelas perspectivas a respeito da saúde financeira da empresa, do setor a que a empresa pertence e da economia como um todo, nacional e mundial. Ou seja, o investidor assume os riscos do negócio como sócio e no preço da sua participação influem também as perspectivas dos outros investidores a respeito do negócio e da economia. Mas não é só isso.

Profissionais estudam o preço de mercado das ações comparado aos números e fundamentos econômicos das empresas (análise fundamentalista). Distorções entre o preço de mercado de uma ação e o que analistas inferem que seria o preço “justo”, estudando a fundo a empresa, são muito comuns. O preço de mercado mais baixo que o preço “fundamentado” de uma ação é considerado uma oportunidade de compra, pois espera-se que o mercado corrija essa distorção. O contrário também é verdadeiro.

Há também a análise técnica (ou gráfica), que estuda o preço das ações para inferir seu comportamento futuro baseando-se na premissa de que os preços passados refletidos nos gráficos representam padrões comportamentais do mercado, formados pelas decisões de compra e venda tomadas pelos seus agentes em geral. Essas decisões são tomadas com base em fatores bastante variados, psicológicos ou técnicos, fundamentados ou não.

Comumente, investidores enxergam a bolsa como um meio de enriquecimento fácil e tentam “operar” as suas oscilações de preço de forma a obter lucro rápido. Essa prática pode ser viciante e levar famílias à ruína financeira, como comprovado por estudos recentes. Investidores profissionais experientes, com todo o seu controle de risco, feito de forma técnica, podem perder dinheiro. Quem dirá amadores. A bolsa de valores não deve ser vista como um cassino.

Do outro lado da moeda, investir em ações com responsabilidade não se trata apenas de escolher boas empresas para ser sócio, o que por si só já é uma tarefa bastante difícil. Trata-se também de entender se o preço de mercado da ação representa um bom momento de entrada, considerando toda a complexidade de fatores que o influem. E, tão importante quanto uma boa análise da empresa e do preço, é analisar a estrutura financeira pessoal ou familiar de quem investe.

Investir requer não somente apetite psicológico de tomar risco, mas também capacidade financeira de assumir risco, que por sua vez é composta por diversos fatores, como: planos de vida e seus horizontes de prazo; composição patrimonial; fase do ciclo de vida; gestão orçamentária e necessidade de liquidez; nível de cobertura de riscos; aspectos profissionais etc. O nível de tolerância ao risco do investidor deve ser composto por todos esses fatores, entre outros, que idealmente devem ser estudados de forma personalizada. Assim, antes de começar a investir na bolsa é necessário entender se, pessoalmente, o investidor está apto a dar esse passo.

Considerando a complexidade do mercado e das análises necessárias para escolher boas ações e o momento de comprá-las, a melhor forma de começar a investir na bolsa é com ajuda profissional. Fundos de investimentos da classe de ações oferecem gestão especializada: o investidor paga uma taxa de administração e os gestores tomam as decisões de investimento dentro do fundo, conforme sua política de investimentos. Caso o investidor queira comprar diretamente as ações, a operacionalização é feita eletronicamente através das corretoras de valores mobiliários, e a ajuda profissional para investir pode vir de casas de análise que oferecem relatórios sobre as empresas, indicando o momento de compra ou venda. Há casas independentes ou ligadas a bancos e corretoras – é importante escolher bem para evitar recomendações com conflitos de interesses. Essas duas primeiras alternativas são genéricas (não personalizadas). Caso o investidor tenha um capital mais alto para investir, é possível também contratar consultores de valores mobiliários ou gestores de carteira administrada que ofereçam um serviço personalizado.

Diana Benfatti é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: atendimento@attimofinancas.com.br

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site ÉpocaNegócios.com ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Texto publicado no site Época Negócios em 25 de maio de 2021.

0